28 de Junho de 2017
Utilize as teclas de atalho Alt+2 para navegar para a área de pesquisa do sítio web.
Utilize as teclas de atalho Alt+1 para navegar para a área de conteúdos do sítio web.

Tricentenário 1717/2017

Terceiro Centenário da Colocação da Primeira Pedra da Basílica do Palácio Nacional de Mafra

Mafra 300 anos programa.pdf

Estamos perante o monumento português que melhor reflecte o que podemos chamar de Obra de Arte Total: arquitectura, escultura, pintura, música, livros, têxteis… enfim, um património tipologicamente diversificado, coerentemente pensado e criteriosamente encomendado para este Palácio/Convento/Basílica/Tapada e que aqui configura uma realidade única.

Com efeito, numa área com cerca de 40.000 m2, temos implantado um notável projecto de arquitectura que foi executado sem hiatos nem soluções de remedeio. De facto, aqui tudo é marcado por uma marca de qualidade que só a generosidade joanina podia e sabia exigir: excelência de materiais, soluções arrojadas e requinte de execução.

A Arquitectura modela funcionalidades ligadas por quilómetros de corredores e mais de 150 escadarias. A Engenharia perpassa por todo o monumento, desde o zimbório aos subterrâneos. Para Mafra, escolheram-se os melhores e escolheu-se do melhor: Ludovice e Custódio Vieira na arquitectura, Trevisani e André Gonçalves na pintura, Wolkmar Machado e Domingos Sequeira na pintura mural, Monaldi e Machado de Castro na escultura, Witlockx e Levache nos carrilhões, são alguns daqueles que contribuíram para configurar este património.

Quando visitamos este monumento sentimos que é uma experiência diferente. Diferente porque as singularidades que aqui são vivenciáveis não têm paralelo em qualquer outro sítio: um complexo Hospitalar do século XVIII, dois Carrilhões monumentais do século XVIII, um conjunto (único) de Seis Órgãos de tubos e uma das que por muitos é considerada como sendo a mais bonita Biblioteca histórica do mundo configuram este património que, na sua génese, é um Palácio do Rei, um Palácio da Rainha, um Convento franciscano, uma Basílica e uma Tapada. O ano de 2017 é, como todos sabemos, um ano importante para o Palácio Nacional de Mafra, em 17 de Novembro celebra-se o terceiro centenário da cerimónia de colocação da Primeira Pedra da Basílica. Vai ser, para nós, um ano de comemoração e comemorar significa celebrar, significa homenagear, significa respeitar e é isso que nos compete fazer neste Monumento trezentos anos após a colocação da primeira pedra. As nossas propostas serão marcadas pela sobriedade e austeridade conferidoras da nobreza deste Monumento. As comemorações deverão ser sinónimas de investimento e inseridas em programas concretos de conhecimento das nossas colecções e, sobretudo, na qualificação de espaços e dos nossos mais singulares equipamentos. Conhecer e Qualificar são as duas palavras-chave transversais ao que deve ser todo o programa e, como não poderia deixar de ser, tudo envolvido por uma atmosfera festiva que preparamos para todos os meses de 2017. Estão envolvidos nesta comemoração a Direcção Geral do Património Cultura/Palácio Nacional de Mafra, a Câmara Municipal de Mafra, a Escola das Armas, a Tapada Nacional de Mafra e a Paróquia de Santo André de Mafra com um programa conjunto para assinalar este Tricentenário.

Próximos Projectos Restauros
• Carrilhões (em fase de conclusão do processo)
• Pintura mural da sala do Trono (com o mecenato da Fundação BCP) 

Acessibilidades físicas e de comunicação
• Elevador
• Acesso à Basílica
• Nova sinalética
• Novas tabelas nas salas
• Instalação de áudio-guias

Lista de Conteúdos

  • Recomende este sítio web

Serviços do Site

Rodapé